jQuery e ASP.NET

Não sei quanto a vocês, mas para mim, uma das coisas mais chatas que existem é escrever código javascript para rodar em páginas web. Pode ser que esse trauma tenha surgido quanto tive meus primeiros contatos com o desenvolvimento de aplicações web, nos primórdios da Internet. Eram vários os problemas: faltava um ambiente de desenvolvimento decente (Notepad na cabeça), havia dificuldades em debugar o código, muitos dos códigos não funcionavam da maneira esperada em todos os browsers, isso sem falar na complexidade em se fazer coisas que deveriam ser simples, o que acarretava em falta de produtividade.

Muita coisa mudou de lá para cá: o Visual Studio melhorou muito o suporte a javascript (além disso, surgiram outros editores como o Aptana Studio), o processo de debug foi facilitado (inclusive, no Internet Explorer 8 será possível debugar código javascript; isso sem falar no Firebug, uma extensão para Firefox que já existe há muito tempo e é uma mão na roda para os desenvolvedores web) e até a interoperabilidade entre os browsers melhorou (um pouco, mas melhorou). Mesmo com essa evolução, até hoje, eu sinto calafrios quando ouço falar em fazer algo muito complexo em javascript.

Nos últimos tempos, com a onda da Web 2.0 e do AJAX, surgiram muitas bibliotecas para facilitar e aumentar a produtividade no desenvolvimento de código javascript. Entre as mais famosas, posso citar o Dojo, Prototype, Ext JS, Script.aculo.us, Yahoo! UI Library e jQuery. A grande vantagem do uso dessas bibliotecas é que elas abstraem muitos aspectos de baixo nível (como por exemplo, fazer um tratamento específico para determinada versão de browser), permitindo que nosso foco esteja na resolução do problema e não em detalhes que não deveriam consumir nosso tempo.

Assim, é com bons olhos que vejo o anúncio da Microsoft em adotar o jQuery, que é open-source, no ASP.NET. Para quê reinventar a roda quando já há uma biblioteca elogiada e consagrada? Meu palpite é que o principal beneficiado dessa integração seja o ASP.NET MVC Framework, pois nesse modelo, o desenvolvedor tem muito mais contato com HTML/HTTP e o uso de javascript é mais explícito e intensivo, o que normalmente não ocorre com o modelo WebForms. Isso não quer dizer que quem desenvolve utilizando WebForms não poderá se beneficiar, afinal de contas, apesar de nesse modelo de desenvolvimento o ASP.NET fazer o trabalho sujo pelo desenvolvedor, o resultado final gerado ainda é HTML e muitas coisas só são possíveis com javascript.

Comments (1) -

  • Ricardo Beck

    3/4/2009 2:33:45 AM | Reply

    Fico feliz em saber disso, venho estudando a plataforma jquery ja a algum tempo e percebo o ganho de produtividade. Hoje o jquery é bastante usado pelo google nas suas ferramentas e é impressionante a performance na navegação. Claro que ainda muita coisa precisa ser digitada. Parabéns a Microsoft por essa brilhante iniciativa.

Loading