Evolução tecnológica em 20 anos

No dia-a-dia, muitas vezes acabamos adotando novas tecnologias naturalmente e nem nos damos conta de como as coisas evoluem de maneira absurda. Noutro dia, vi no Twitter a imagem abaixo, que representa bem isso (além de mostrar que estou ficando velho). A foto está dividida em duas partes: a de cima, mostra produtos existentes em 1993, enquanto a parte de baixo mostra o equivalente a todos esses produtos em 2013. Ou seja, o que antes exigia 8 produtos diferentes, foi condensado em um iPhone que cabe no seu bolso! Tudo isso graças a evolução da eletrônica, hardware e software em 20 anos. É ou não é fascinante?

 

1993vs2013

Surface, o tablet da Microsoft

Desde o final da semana passada, quando a Microsoft enviou, para jornalistas que cobrem tecnologia, um convite para um evento que ocorreria em Los Angeles em 19/06/12, muitas especulações surgiram. Isso tudo por causa do clima de mistério criado (influência da Apple?), já que não havia pistas do que seria anunciado e nem mesmo do local exato do evento, que só foi divulgado na manhã do dia em que o mesmo ocorreu. O evento aconteceu e, como muitos esperavam, a Microsoft revelou ao mundo um tablet que vai levar sua marca, chamado Surface (não confundir com o antigo Surface, que era uma mesa sensível ao toque e que agora chama-se PixelSense).

 

O Surface é um tablet projetado pela Microsoft com o que ela entende como um dispositivo desse tipo deve ser para que utilize todo potencial que a próxima versão do Windows proporciona. Na verdade, definir o Surface como simplesmente um tablet não é totalmente correto. Lembre-se que, com o Windows, a Microsoft domina o mercado de sistemas operacionais para computadores pessoais - os famosos PCs, que muitos consideram que estão com os dias contados, em uma era pós-PC onde quem reina são smartphones, tablets e outros tipos de dispositivos móveis. Assim, levando-se em conta o que trouxe a Microsoft até aqui, nada mais coerente que o Surface seja uma espécie de híbrido, o qual, apesar de sua principal identidade ser um tablet (quando a interface Metro pode ser melhor explorada), também pode virar um PC, a partir do uso de um teclado acomplado na própria capa que vem com o aparelho e de um suporte para apoio.

 

 

Haverá dois modelos de Surface: um com a versão Professional do Windows 8 e processador x86 (que rodará qualquer aplicativo existente para os PCs tradicionais), e outra versão com o Windows RT, a nova versão do Windows para processadores ARM. O Office 2013 virá instalado em ambos os modelos. As primeiras repercussões têm sido positivas. Entretanto, ainda restam dúvidas que podem determinar a aceitação e o futuro do produto:

  • Preço: o preço ainda final não foi divulgado. As respostas para essa questão foram evasivas, dizendo que o preço da versão Windows RT será na mesma faixa de outros tablets ARM, enquanto que a versão Windows 8 será compatível com os preços dos ultrabooks;
  • Tempo de duração da bateria: um item crucial para dispositivos móveis;
  • Data de lançamento: a versão Windows RT estará disponível quando o sistema operacional for lançado, o que também não foi divulgado quando acontecerá, mas especula-se que seja em torno de setembro ou outubro. Já a versão Windows 8 estará disponível 3 meses após o lançamento da versão Windows RT. Ou seja, levará em torno de 3 a 6 meses para os produtos chegarem no mercado. É um tempo considerável e que levanta a dúvida de que se não valeria mais a pena fazer o anúncio mais próximo à data de lançamento;
  • Parcerias: apesar de ter alguns hardwares com sua marca (sendo o de maior sucesso o Xbox), a Microsoft é primordialmente uma empresa de software. Agora, ela irá concorrer com empresas que até então eram suas parceiras, o que não as deve ter agradado nem um pouco. Provavelmente, ela optou por esse caminho para não ficar totalmente dependente das empresas parceiras fabricantes de PCs, que poderiam não fazer produtos com boa qualidade, o que poderia prejudicar a imagem da próxima versão do Windows;

 

 

 

A Microsoft tem feito apostas arriscadas e audaciosas em relação ao Windows: primeiro, com a remodelagem da interface, incorporando o Metro, e agora lançando seu próprio tablet. Não poderia ser diferente. Não resta dúvidas que nesse campo, o grande rival e referência quando se fala em tablet ainda é o iPad. Esse mercado praticamente foi criado pela Apple há meros 2 anos e meio, e os tablets Android ainda não conseguiram se consolidar. Assim, a Microsoft entra na disputa ainda a tempo e com maiores chances de sucesso. A esperança da Microsoft é se manter relevante no mercado de PCs, ganhar importância no mercado de tablets e, com isso, conseguir influenciar o aumento de participação nos smartphones, onde o Windows Phone, apesar dos elogios por parte da mídia especializada, tem encontrado grandes dificuldades, já que chegou muito atrasado em um mercado onde iPhone e Android estão bem consolidados. Tarefa fácil, não?

 

 

Instalando o modem ADSL SpeedTouch 330 USB no Windows Vista

Se você utiliza banda larga com o modem SpeedTouch 330 via USB, encontrará problemas no Windows Vista. Isso porque o mesmo não é reconhecido automaticamente pelo novo sistema operacional. Notem que estou me referindo ao modem conectado à porta USB, e não ao modem que é conectado à saída da placa de rede Ethernet. Esse, pelo que fiquei sabendo, o Windows Vista reconhece normalmente, e é isso que, provavelmente, o pessoal do suporte técnico da empresa que vende o serviço de banda larga vai lhe falar. O fato é que a versão USB desse modem é quase uma anomalia (são poucos os felizardos que o possuem), tanto que este modelo nem está mais disponível.

Ao tentar instalar a aplicação que vem no CD (que não foi feita para o Vista), tudo aparentemente vai bem, até o momento do boot. Neste instante, a instalação é interrompida e aparece uma mensagem de erro dizendo que "O cliente PPoE não foi instalado". Neste ponto, apesar da instalação não ter sido concluída, os drivers do modem já foram copiados para o HD e já é possível instalar o modem manualmente. Apesar de assim termos acesso à Internet, não é uma solução muito bonita, pois estamos utilizando uma versão de driver antiga e a mensagem de erro sempre aparece quando inicializamos o computador.

Pesquisando um pouco na Internet, descobri que várias pessoas estavam enfrentando o mesmo problema. Também descobri que, recentemente, a Thomson, fabricante do produto, disponibilizou em seu site uma versão do driver para Windows Vista. Para instalá-lo, siga o seguinte procedimento:

  1. desligue o modem da porta USB; 
  2. caso tenha instalado alguma versão anterior do driver, desinstale-a;
  3. dê um boot no computador;
  4. execute o arquivo copiado do site com os novos drivers;
  5. quando solicitado, conecte o modem à porta USB;

Em minhas pesquisas sobre o assunto, achei um post de um blog brasileiro que explica um outro procedimento. Não cheguei a testá-lo, mas fica aqui a referência, caso alguém precise.

Descobrindo se o seu computador é compatível com o Windows Vista

Se você pretende utilizar o Windows Vista no seu computador, então é interessante saber se o mesmo é compatível ou se há algo que deve ser melhorado para usufruir das novas funcionalidades. Existem vários recursos que podem ser utilizados com essa finalidade.

A Microsoft oferece o download do Windows Vista Upgrade Advisor, que é um programa que varre o seu computador, gerando um relatório dos pontos fracos e fortes, além de recomendações sobre qual edição do Windows Vista faria melhor uso do hardware.

Além disso, você também pode consultar o Hardware Compatibility List - HCL, que é uma lista de dispositivos que foram testados com sucesso no Windows Vista. O fato de algum hardware não estar na lista não significa que ele não funcionará no Windows Vista, mas também não há garantida nenhuma de que funcione.

Outra ferramenta que pode ser consultada é o Software Compatibility List, que é mantido por um site independente em formato wiki. Nele são mostrados os softwares que funcionaram, os que não funcionaram e os que para funcionar no Windows Vista precisaram de algum ajuste.

Provavelmente, seu próximo computador terá dois núcleos

Segundo a lei de Moore, a capacidade de processamento dos chips dobra a cada 18 meses, enquanto que os custos permanecem constantes (não confunda com a lei de Murphy, que diz que, "se alguma coisa pode dar errado, dará"!). Gordon Moore é um dos fundadores da Intel, e ele fez essa constatação em 1965.  Quarenta anos se passaram desde então, muita coisa mudou e evoluiu, mas essa lei tem se mantido como  uma verdadeira profecia. Essa evolução da capacidade de processamento tem acontecido, basicamente, através do aumento da velocidade do processador, que por sua vez é conseguido pela adição de mais, e menores, transistores em chips, também cada vez menores.

Isso pode ter funcionado bem nos últimos tempos, mas não é difícil perceber que existem limites que serão confrontados, cedo ou tarde. O primeiro limite é o de ordem física, já que chegará um momento em que não será mais possível diminuir o tamanho dos transistores e dos chips. O segundo é o aumento do aquecimento e do consumo de energia, gerados pela concentração de mais e mais transistores em chips menores, o que pode provocar falhas. O terceiro problema é financeiro, pois os investimentos necessários para se pesquisar e fabricar processadores são maiores a cada geração. Colocado desta maneira, parece ser o fim da lei de Moore.

É aí que entram os processadores dual-core, ou com dois núcleos. Com eles, a necessidade de se diminuir o tamanho dos componentes para aumentar o clock não é mais obrigatória para aumentar a capacidade de processamento. O trabalho pode ser dividido entre vários núcleos (já se fala em processadores com 4 e 8 núcleos). Isso também evita o superaquecimento e o aumento no consumo de energia. A Intel anunciou recentemente a comercialização destes processadores para desktops e notebooks, batizados de Core 2 Duo. No começo, o preço desses chips deve ser um pouco salgado, mas a tendência é que se tornem mais baratos com o aumento de escala de vendas. Se você pretende comprar um computador logo, talvez seja mais interessante aguardar um pouco, até porque tem também o Windows Vista, que está previsto para ser lançado no começo do ano que vem e que irá rodar melhor em um computador equipado com um chip dual-core. Se quiser saber mais sobre essa tecnlogia, leia uma FAQ sobre o assunto.

Ricardo Oneda.