ASP.NET x JavaScript

Com o ASP.NET ficou mais fácil e produtivo desenvolver aplicações Web, pois ele já fornece vários controles que antes tínhamos que desenvolver e com os quais gastávamos muito tempo. Além disso, o ASP.NET deixou o processo de se desenvolver uma aplicação web bem mais parecido com o processo de se desenvolver uma aplicação desktop. Isso quer dizer que podemos ignorar o JavaScript e o HTML (ou DHTML), pois só o ASP.NET e o código escrito em linguagem server-side é suficiente, certo? Quem pensa assim, não poderia estar mais enganado.

Apesar das inegáveis facilidades trazidas pelo ASP.NET, não podemos nos esquecer que o resultado do processamento do servidor web que é enviado ao browser ainda é HTML e JavaScript. Isso é o que garante (ou pelo menos deveria garantir) que a aplicação irá funcionar em qualquer browser de qualquer plataforma (Windows, Unix, Mac, etc). O que o ASP.NET faz é esconder o trabalho sujo do desenvolvedor, ou seja, o HTML e JavaScript são gerados automicamente e faz com que muitas vezes nos esqueçamos que eles ainda estão lá.

Muitas pessoas têm dificuldade (ou até mesmo não querem) em aceitar isso, principalmente aqueles que vieram do desenvolvimento de aplicações desktop e só agora, com o ASP.NET, estão tendo o primeiro contato com desenvolvimento Web.

Já muitos daqueles que desenvolviam aplicações web antes do ASP.NET reclamam que a integração com o JavaScript ficou mais complicada. Não sei se "complicada" é uma boa definição, mas com certeza é bem diferente da maneira tradicional a qual estávamos acostumados. Mas isso é questão de costume e, depois que nos adaptamos, fica bem mais fácil.

Vejo muitas pessoas reclamarem que a Microsoft deveria ter mudado isso e ter extinto o JavaScript, além de ter implementado várias outras coisas que só são possíveis com scripts client-side, como se dependesse dela ditar estes padrões! Em vez de ficarem esperando tudo e mais um pouco da Microsoft, porque não desenvolver seu próprio controle? Afinal, você pode desenvolver (ou adquirir de terceiros) um controle que atenda as suas necessidades e depois reaproveitá-lo em vários projetos. A plataforma .NET é bem flexível com relação a isso. Ela não te obriga a ficar amarrado ao que é nativo da plataforma.

Apesar de ser possível desenvolver uma aplicação web em ASP.NET sem ter nenhum conhecimento de HTML e JavaScript, você ficará muito limitado e sua aplicação deixará de ter muitas funcionalidades que só são possíveis através de scripts que rodam no cliente (neste caso, o browser). O exemplo clássico é a manipulação de janelas pop-ups e de frames.

Abaixo, seguem alguns links que mostram como trabalhar com JavaScript e ASP.NET:

Client-Side Script Integration in ASP.NET
Injecting Client-Side Script from an ASP.NET Server Control
Using JavaScript Along with ASP.NET

E agora, alguns links que tratam de JavaScript, HTML e DHTML:

Dynamic Drive HTML
HTML Code Tutorial
JavaScript Source
Doc JavaScript

Ricardo Oneda.

Adiamento e novos preços do Visual Studio 2005 e SQL Server 2005

Meu último post foi sobre o adiamento do Beta 2 do Visual Studio 2005, o que poderia impactar o lançamento final do produto. Pois é, isso realmente se confirmou. Agora, nem uma data oficial foi dada, de acordo com a notícia. O que se sabe é que o lançamento não será mais no verão americano, e sim em algum momento até o final do ano. Isso também vale para o SQL Server 2005.

Volto a repetir o que escrevi anteriormente: eu ficaria surpreso mesmo se o Visual Studio 2005 fosse entregue no prazo! Como o Franco disse em seu comentário, se bobear, o nome do produto irá mudar para Visual Studio 2006!

Além disso, também foi divulgada a lista de preços das várias versões do Visual Studio 2005, inclusive a Express, que é uma versão mais enxuta da ferramenta de desenvolvimento da Microsoft (e que por enquanto pode ser baixada gratuitamente, pois ainda está em fase Beta). Vamos ver qual será o preço desta versão aqui no Brasil, já que nos EUA ela custará somente US$49,00.

Ricardo Oneda.

Microsoft adia o Beta 2 do Visual Studio 2005

Segundo esta notícia do IDG Now!, a Microsoft adiou para abril a liberação do Beta 2 do Visual Studio 2005 (codinome Whidbey), que deveria ser lançado no final de março. Isso pode impactar no lançamento da versão final, previsto para setembro de 2005.

Em se tratando de Microsoft e de seu histórico de atrasos de entregas de novos produtos, eu ficaria surpreso mesmo se o Visual Studio 2005 fosse entregue no prazo...

Ricardo Oneda.

Dica: Queries parametrizadas com OLE DB e ODBC .NET Data Providers

Uma dúvida muito comum que aparece no fóruns do MSDN Brasil é quanto à utilização de parâmetros em queries SQL quando se utiliza o OLE DB ou ODBC .NET Data Providers. Na maioria dos casos, o problema está no fato de que a pessoa não sabe que, ao contrário do SQL Server Data Provider, o OLE DB e o ODBC Data Providers não suportam parâmetros nomeados em uma instrução SQL. Os parâmetros, nestes casos, são representados pelo sinal "?" (ponto de interrogação). Assim, uma instrução SQL que com SQL Server Data Provider fosse:

SELECT Nome FROM Clientes WHERE Codigo = @ID AND Cidade = @Cid

No OLE DB ou ODBC .NET Data Providers ficaria assim:

SELECT Nome FROM Clientes WHERE Codigo = ? AND Cidade = ?

Note que no caso de haver mais de um parâmetro no comando SQL, é importante que os parâmetros sejam adicionados ao objeto Command na mesma ordem em que aparecem na
instrução SQL, já que não será possível mapeá-los através de nomes.

Vale lembrar que o SQL Server Data Provider não aceita este tipo de representação de parâmetros por ponto de interrogação.

Ricardo Oneda.

História das linguagens de programação

A O'Reilly, famosa editora de livros técnicos de informática, publicou um poster, no formato PDF, com 50 linguagens de programação dos últimos 50 anos em uma linha de tempo. Clique na figura abaixo para obter maiores detalhes. Vale como curiosidade!



Ricardo Oneda.

Utilizando RSS para ganhar tempo

Vocês já devem ter percebido uma imagem laranja com o texto XML ou então RSS que tem aparecido bastante em vários sites, inclusive aqui no theSpoke. Se você já teve curiosidade e clicou nesta imagem, verificou que é retornado um conteúdo em XML. Mas que diabos é isso? Simples: este é um feed de RSS para ser utilizado em programas chamados feed readers ou feed aggregators. Entre as várias novidades que surgem e desaparecem diariamente no mundo da tecnologia, o RSS veio para ficar, definitivamente.

Existem vários significados para a sigla RSS (e a origem é meio confusa, não vou entrar em detalhes) mas os mais "aceitos" são Really Simple Syndication ou Rich Site Summary. O RSS pode ser considerado um padrão de distribuição de notícias, que começou a ser bastante utilizado em blogs e foi adotado por sites de notícias, e a cada dia vem ganhando mais espaço.

E como funciona? Quando você quer ficar informado sobre as últimas notícias de um site, ou os últimos posts de um blog, você configura o seu leitor de feeds para que verifique o site de tempos em tempos em busca de uma nova versão do feed e, quando isto ocorrer, você é avisado. Isso poupa um tempo enorme e evita que você tenha que visitar o site para verificar as novidades. É a tecnologia trabalhando por você :)

Abaixo, segue uma relação de leitores ou agregadores de feeds, todos gratuitos:

  • FeedReader: simples, pequeno e open source;
  • RssReader: leitor RSS feito em .NET;
  • SharpReader: outro leitor RSS feito em .NET;
  • Pluck: um leitor RSS que é um plug-in do IE, ou seja, as notícias são lidas no próprio browser;

Outros sites onde podem ser encontradas maiores informações sobre RSS:

Baixe o seu programa e adicione o feed do meu blog Wink

Ricardo Oneda.